sábado, 9 de maio de 2009

RICA’RTE



Os amigos, naturalmente, são pessoas que nos encantam. Logo estão a bailar gargalhadas em nossa sala de estar. Também não demora muito para compartilharmos eventuais tristezas doidas neles tanto quanto em nós. No cotidiano, todavia, são mesmo é o pano de fundo de nossas almas paranóicas. Vemos neles uma imagem especular do que gostaríamos de ser e sabemos que nunca somos quando eles não estão ali.


Ricarte Almeida Santos é desses amigos que a gente admira, se espanta, se extasia. A sensibilidade e a delicadeza de Ricarte, no entanto, deram a ele a capacidade de "amizar" com ninguém menos do que a própria música, em pessoa. Poderia dizer: mais precisamente o choro. Mas, estaria cometendo uma grande imprecisão. Talvez, para ser mais preciso, precisaria ser mais abrangente: com a arte.


Rico por definição, seu coração transborda sensibilidade e harmonia. Rica'rte é um homem rico (um dos mais ricos que conheço) e marcado pela versatilidade. Como todo bom chorão, sua arte de viver dá um toque de Midas em diversas escalas. Vai de Fá a Lá (106 oitavas acima) no luxuoso "Chorinhos e Chorões" até uma esplêndida atuação RIPP contra as injustiças sociais.


A força e a dedicação dessa arte se ancoram em profundas raízes. Seu pai lhe deixou o legado do choro e com ele a certeza de que um homem chora sempre que pode. Assim, Ricarte sempre soube nos fazer chorar de arrebatamento ante a beleza de suas criações. Ademais, nem tudo é choro. Seu melodioso conhecimento desliza por entre ouvidos internos e externos à música do mestre Ernesto Nazaré. Um virtuoso do instrumento de conhecer a música brasileira, sua execução majestosa faz legato do choro ao samba com maestria. Nem por isso, há menos extensão sonora em seu instrumento quanto se trata de tocar a música e os músicos da terra.


Mas, convenhamos que nada se compara a sua presença carinhosa e amiga. Rica'rte de viver, Rica'rte de ouvir, Rica'rte de chorar, Rica'rte de sorrir. Ricarte sempre!

12 comentários:

Érico Cordeiro disse...

Rico texto, prá falar de um sujeito que merece cada vírgula e cada pausa do que ali foi dito sobre sua singularíssima pessoa.
Compre canetas a granel, caro Jarbas, e rabisque em todas as folhas de papel do mundo mais poemas em forma de prosa como este com que nos brindaste.
Abraços ao homegeador (essa palavra existe?) e ao homenageado!

Celijon Ramos disse...

Jarbas, já está disponível no meu blog todas as faixas do cd do Delicatessen para audição.
Sobre o marketing oodo oco do mundo, a questão é que a cobrança da taxa vai inibir a circulação das pessoas, desfavorendo as compras casuais, de ímpeto que caracteriza o marketing de aglomeração. Principalmente se só agora o shopping passa a cobrar.
Também estou com saudades, mas vamos resolver isso logo logo.
Abraço!

Jarbas Couto e Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jarbas Couto e Lima disse...

Nada como receber a visita de amigos tão ilustres neste blog. A leitura e os comentários de vocês são um incentivo imprescindível.
Obrigado!
Um abraço!
P.s. Celijon, inclua nosso Érico nos planos do encontro acústico.

Érico Cordeiro disse...

Jarbinha
Ele não me incluiu, não me disse o que é mas eu já tô dentro (ops!).
Abração

Paula Nadler disse...

Lindo texto.

Jarbas Couto e Lima disse...

Obrigado pela visita, Paula!
Este elogio vindo de uma leitora de Drummond é um grande incentivo.
Volte sempre!

ricarte disse...

Pô, meu querido Jarbas,

É claro que não mereço tão belo escrito. Só mesmo partindo de uma alma tão generosa como você.
Tenho só paixão pelo que faço e profundo carinho e respeito pelos amigos. E você é um dos maiores amigos que tenho. Embora eu nem faça por merecer tão preciosa amizade. Não tenho palavras para agradecer. Mas quero continuar tendo o privilégio desse carinho imenso.
grande abraço

zema ribeiro disse...

jarbas, também me orgulho em ter ricarte como amigo e conviver com ele, há certo tempo, quase todos os dias. é um ser iluminado. belo texto! grande abraço!

Laurinda Pinto disse...

Que texto lindo, sensível e revelador. Lendo, vejo a descrição de Ricarte misturarem-se as suas... um belo homem a explicitar a admiração pelo amigo e a deixar-me embriagada pelo carinho e respeito que brota da cada palavra.
Um abraço,
Laurinda Pinto

James Magno disse...

Jarbas, meu querido amigo;
apenas você, com a elegância habitual e a percepção dos sentidos sociais, poderia ter sido tão generoso ao falar de nosso querido e incansável Ricarte. O trocadilho Ric'arte já traz em si uma provocação inerente à riqueza da arte difundida pelo homenageado.
Eu me deparo às vezes com a sensação de que são pessoas como vocês dois (blogueiro e blog-homenageado) que nos dão gás para continuar buscando e lutando pelo que há de melhor nesta vida.
abração,
James

jokson disse...

Momentaneamente, fico sem saber se a emoção que senti fora por conta do texto escrito por jARBAS ou se por causa do assunto: RICARTE,um amigo. Talvez por me considerar admirador e ,também,amigo de pessoas tão iluminadas,além de fã que sou de um bom texto. Saudades dos velhos tempos das CS e do futebol na praia da Marcela,aos sábados.

Jokson Launé